Header

Diretor de “8 Mile,” Curtis Hanson, morre aos 71 anos

eminem_curtishanson

O diretor americano Curtis Hanson, responsável pelo aclamado filme “Los Angeles: Cidade Proibida” (1997), morreu nesta terça-feira (20) aos 71 anos, em sua casa, em Hollywood Hills, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Eminem compartilhou os seus sentimentos sobre o Curtis Hanson – o diretor do filme semi-autobiográfico do Eminem, “8 Mile.”

“Curtis Hanson acreditou em mim e na nossa idéia louca de fazer um filme de batalhas de rap em Detroit. Ele basicamente me transformou em um ator para o ‘8 Mile.’ Tive a sorte de poder conhecê-lo,” disse Eminem em um comunicado ao Billboard.

A polícia da cidade californiana, segundo informações dos veículos de imprensa americanos, recebeu uma ligação de emergência médica da casa do diretor por volta das 17h (hora local).

As autoridades comunicaram que Hanson morreu de causas naturais.

Hanson falou sobre como foi ter trabalhado com o Eminem (que ganhou o Oscar de Melhor Canção Original com o single “Lose Yourself” da trilha sonora do filme) em uma entrevista de 2002, com a revista Rolling Stone: “Quando eu entrei nessa eu sabia que ele tinha experiência se apresentando e também se adaptando a um personagem, Slim Shady,” disse Hanson. “O que eu estava procuando era na verdade o oposto disso. Quando você adota uma caracterização, isso é artificial. Você se esconde por trás disso. O que eu precisava nesta história era a aparência de uma completa falta de artifício. Eu precisava a aparência de mais um ou menos envolvimento emocional.”

“E enquanto eu o conhecia, eu tive que avaliar e, em seguida, tomar uma decisão sábia para ver se ele seria a pessoa certa para fazer isso e se ele iria confiar em mim e no ambiente que eu criaria o suficiente para fazer isso.”

Hanson disse também que não queria classificar “8 Mile” como um “filme de rap.” “Filmes de hip hop costumam ilustrar as letras de determinados tipos de músicas de hip hop,” disse ele. “Você tem um monte de armas, você tem um monte de drogas e assim por diante. Nossa história é sobre os fãs de hip hop. Eles não vivem a vida que é retratado nas letras de hip hop, mas eles se identificam com a emoção dessas letras.”

Em outra entrevista com a Rolling Stone, Hanson elogiou Eminem, que fez sua estréia de ator em “8 Mile.” “Ele é um artista extremamente talentoso,” disse Hanson. “Se a pirataria na Internet acabar com o negócio da música, Marshall Mathers não precisa se preocupar. Ele vai ter outra carreira.”

A filmografia de Hanson inclui “A mão Que Balança O Berço” (1992), “Garotos Incríveis” (2000) e “8 Mile” (2002), mas seu auge criativo foi “Los Angeles” (1997), uma adaptação do célebre romance do escritor James Ellroy que rendia um brilhante homenagem aos códigos e arquétipos do clássico cinema noir.

Com Kim Basinger como “femme fatale”, ao lado de Russell Crowe, Kevin Spacey e Danny DeVito, “Los Angeles: cidade proibida” recebeu nove indicações ao Oscar e levou duas estatuetas: a de melhor atriz coadjuvante para Basinger e a de melhor roteiro adaptado para Hanson e Brian Helgeland.

Em entrevista à Agência Efe em 1997, durante a promoção de “Los Angeles”, que recria perfeitamente o lado sombrio e sedutor de Los Angeles nos anos 1950, Hanson afirmou que o filme “quebrava muitas das normas” dos grandes estúdios.

Seu primeiro roteiro para o cinema foi “O Altar Do Diabo” (1970), inspirado em um relato de H.P. Lovecraft, e dois anos depois estrearia como diretor com “Sweet Kill”.

Em 1983, dirigiu a comédia “Porky 3”, com Tom Cruise no elenco, embora seu primeiro grande sucesso comercial foi “A Mão Que Balança O Berço” (1992), um thriller com uma inquietante babá interpretada por Rebecca De Mornay.

Com esse filme, Hanson começou uma bem-sucedida sequência: em 1994 dirigiu o espetacular e aventureiro “O rio selvagem”, que contava com Meryl Streep e Kevin Bacon em seu elenco, antes de conquistar a crítica e público com “Los Angeles: cidade proibida”.

Hanson assinou também os filmes “Em Seu Lugar” (2005) e “Bem-vindo Ao Jogo” (2007) e teve que deixar, por conta de uma doença, “Tudo Por Um Sonho” (2012) no meio da filmagem, um filme sobre surfe que foi concluído por Michael Apted.

Comentários

Comentários

você pode gostar também